O estilo volta ao Futebol Brasileiro

UM DOS NOMES MAIS RESPEITADOS DA MODA NACIONAL, RICARDO ALMEIDA É O ESTILISTA RESPONSÁVEL POR VESTIR A DELEGAÇÃO BRASILEIRA NAS VIAGENS E OCASIÕES OFICIAIS DA COPA DO MUNDO 2018. ASSIM, O MOLETOM LARGO QUE REINOU EM NOSSA SELEÇÃO DURANTE MUITAS EDIÇÕES DO MAIOR CAMPEONATO DE FUTEBOL DO GLOBO SAI DE CENA PARA DAR LUGAR À ALFAIATARIA ELEGANTE, CONFECCIONADA PELO TALENTO VERDE E AMARELO COM TECIDOS ITALIANOS

Diamantes, rubis, esmeraldas, safiras, entre outras pedras preciosas que fazem parte das criações Cartier Paris passam pelo olhar criterioso de Rafael Lupo Medina, gemólogo brasileiro que trabalha na empresa francesa há 14 anos

O terno era o traje social obrigatório da Seleção Brasileira de Futebol nos “Anos Dourados” (1958, 1962 e 1970), quando o futebol brasileiro colecionou troféus e atraiu os olhares do mundo para o time nacional. Em 2018, o coordenador de seleções da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e responsável pela encomenda dos uniformes, Edu Gaspar, decidiu retomar a tradição, para que os jogadores cheguem com toda a elegância que a ocasião merece. Os 23 craques convocados, além da comissão técnica, deixam esse ano a Granja Comary como manda o figurino: vestindo um costume em tom de azul, ajustado ao corpo, combinando com camisa, gravata de seda e sapatos. Tudo foi confeccionado na fábrica da grife Ricardo Almeida, que possui uma estrutura de 7.800m² em São Paulo.

“Sempre quis que eles deixassem de usar abrigos para vestir alfaiataria, do mesmo jeito elegante com o qual as seleções europeias se apresentam. A ideia do Edu foi muito boa!”

ZUMM SELECT: COMO FOI RECEBER O CONVITE PARA VESTIR A DELEGAÇÃO BRASILEIRA NA COPA DO MUNDO?
Ricardo Almeida: Foi aberta uma concorrência, com outros quatro estilistas, e a CBF não me passou nenhuma exigência. Apresentamos uma proposta com o plano de estilo e de custos, e fomos aprovados! Inclusive, acredito que não só pelo projeto apresentado, mas também por toda a estrutura que temos na fábrica.

Z.S.: COMO SERÃO OS TERNOS?
R.A.: A calça e o paletó, em lã fria, foram confeccionados com tecido italiano, como toda a nossa alfaiataria. Chegamos a um tom de azul escuro exclusivo, feito a partir de uma trama de fios nas cores azul e preto, que possui um efeito changeant, ou seja, que muda de tom ao ser fotografado por causa da incidência de luz.
Z.S.: SEUS BLAZERS SÃO SEMPRE FORRADOS COM UM CARACTERÍSTICO TECIDO ACETINADO. OS UNIFORMES TAMBÉM SERÃO?
R.A.: Sim. O forro em jacquard segue o simbolismo das cores da bandeira com linhas amarelas e verdes, as quais compõem formas geométricas inspiradas no construtivismo russo, trazendo todas as taças das vitórias da Seleção Brasileira.
Z.S.: AS PEÇAS SEGUEM A MODELAGEM SLIM FIT, SUA MARCA REGISTRADA. FOI DIFÍCIL ADAPTÁ-LA AOS CORPOS DOS JOGADORES?
R.A.: Não foi um problema! Muitos já são clientes meus. Eu já tinha como base uma grade de medidas com proporções maiores das pernas, bumbum e coxas. Assim, fui adaptando sob medida, conforme a necessidade.
Z.S.: O TIME APROVOU?
R.A.: Olha, apenas um jogador disse que tinha preferência por roupas mais largas! (risos) Mas eu o convenci que com o traje bem cortado e ajustado ao corpo da maneira correta, ele ficaria mais magro e longilíneo.
Z.S.: E OS ACESSÓRIOS, COMO SERÃO?
R.A.: As gravatas são de seda. Estamos mandando um cinto também, mas as calças possuem um cordão por dentro, que dispensa o uso dele, o que é prático! Já os sapatos são em couro com sola de EVA, o que traz muito conforto. Alguns jogadores até já fizeram encomendas deles.
Z.S.: A PRINCÍPIO, HAVERIA UM LENÇO NO BOLSO DOS PALETÓS COM A BANDEIRA DO BRASIL, MAS POR CAUSA DO BRASÃO DO CBF ELE FOI RETIRADO?
R.A.: Quando mandei a proposta para a CBF, queria que o visual tivesse um ponto de luz. Depois, quando soube do brasão, achamos melhor retirar o lenço para não brigar.
Z.S.: EXISTE ALGUMA DIFERENÇA ENTRE OS UNIFORMES DOS JOGADORES E DA COMISSÃO TÉCNICA?
R.A.: Os jogadores usarão camisa azul, o que deixa o look monocromático, com gravatas que têm 4cm de largura e são bem modernas. Para a comissão, foi escolhida a camisa branca, mais tradicional, com gravatas de 6cm.
Z.S.: EXISTE A POSSIBILIDADE DE VOCÊ FAZER ALGUMA COLEÇÃO INSPIRADA NOS UNIFORMES DA COPA?
R.A.: Quem sabe… se eu fizer serão apenas 10 trajes para cada loja!
Z.S.: VOCÊ VAI À RÚSSIA ASSISTIR OS JOGOS?
R.A.: Vou para Londres, onde eles farão a foto oficial. Devido à agenda apertada, não posso acompanhá-los até Sochi, onde será a concentração. Depois, com certeza, irei para ver os jogos da semifinal e final.
Z.S.: SERÁ QUE LEVAMOS O TROFÉU PARA CASA?
R.A.: Eu acho que sim! Acredito no Tite!

Por: Joana Mortari

“Foi aberta uma concorrência, com outros quatro estilistas, e a CBF não me passou nenhuma exigência. Apresentamos uma proposta com o plano de estilo e fomos aprovados! Inclusive, acredito que não só pelo projeto apresentado, mas também por toda a estrutura que temos na fábrica”

Leave a Reply

Your email address will not be published.